Sobre Academia

Somos uma academia de kung fu de Curitiba, Paraná. Nosso objetivo é melhorar a qualidade de vida e estimular o desenvolvimento pessoal das pessoas, sempre adaptando o treino ao limite de cada um. Aqui, você tem novidades sobre a academia e informações gerais sobre kung fu e cultura oriental.

Treino no Parque II – Jardim Botânico

No último sábado (08/06) realizamos o segundo Treino no Parque do ano (o primeiro ocorreu em março, no Parque Bacacheri). O objetivo deste evento é levar a aula da sala de treinamento para um ambiente aberto como um parque ou praça. 
O primeiro Treino no Parque focou essencialmente na formatação da aula de primeira fase, com alguns exercícios específicos no final do dia. Este segundo, numa proposta nova dos instrutores, foi um treino diferenciado, focando essencialmente na parte técnica e de aplicações da primeira fase (de forma que qualquer aluno poderia participar) mas sem que fosse rigidamente como nas aulas.
Iniciou-se com alongamento e aquecimento básicos seguindo com vários exercícios para desenvolvimento e aplicações de chutes e técnicas de mãos, principalmente socos e ataques no estilo de tigre. O treino de combate de sombra também foi diferente do que costuma acontecer em aula, aproveitando o evento para permitir um pouco mais de liberdade de movimentação aos alunos.
A Academia está muito satisfeita com o evento e quer manter esta atividade. Logo teremos o terceiro Treino no Parque,  fique atento para data e local e participe.

ImageImageImageImageImageImageImageImageImageKunImageImageImage

Dia Municipal do Kung-Fu – 20 de abril de 2013

No último dia 20 de abril houve na Praça Santos Andrade as apresentações do 2° Dia Municipal do Kung-Fu. Data comemorativa da cidade de Curitiba que visa mostrar ao grande público não apenas o kung-fu, mas uma parcela da cultura oriental. Havendo além das apresentações de artes marciais, outras atividades como a dança do leão, massagens e escrita ideográfica.

A Academia T’ai Hu participou com quatro formas: duas sequências técnicas, um kati de armas e um kati de mãos livres.
Abaixo, os videos da apresentação.

(linkar videos)

Academia é destaque na revista Kids In

A revista Kids In – voltada para pais preocupados com lazer, saúde e bem-estar das crianças, fez há algum tempo uma entrevista com a academia. A matéria saiu na última edição, e enquanto não chega nossa edição, seguem as fotos da matéria onde falamos dos benefícios que o kung fu oferece para as crianças.

E quais os benefícios que o kung fu traz para as crianças?

Não só para crianças, mas em geral, o kung fu melhora a qualidade de vida das pessoas. Para os pequenos, algumas das principais vantagens são:

  • Melhor atenção, concentração e percepção;
  • Desenvolvimento de reflexos;
  • Desenvolvimento de coordenação motora;
  • Interação social, noção de amizade e companheirismo;
  • Mantém o alongamento que crianças normalmente têm.
Claro que esses são apenas alguns benefícios que o kung fu oferece. Crianças são bem-vindas em nossa academia. Assim, pais poderão confirmar os benefícios e até conhecer outros. Estamos esperando!

Norte, sul ou os dois – Qual o melhor estilo de kung fu?

Kung fu, antes de ser uma luta, é uma arte. E como toda arte, existem várias formas de expressá-la. E isso é o que mantém o kung fu vivo há tantos anos.

Existem estilos para todos os gostos: acrobáticos, práticos, que desenvolvem a energia interna, que desenvolvem energia externa, com poucos e efetivos golpes, com muitos golpes que permitem milhares de combinações e contra-combinações, e por aí vai.

O kung fu é rico demais para concentrar todas as suas vertentes em um só estilo. E existem diferenças entre objetivos de estilos também. A perfeição das acrobacias e altura dos chutes de um estilo do norte exige uma base diferente da firmeza e segurança dos socos de um estilo do sul. Um estilo focado em competições de contato e/ou semi-contato não poderá demonstrar movimentos semelhantes a um estilo focado em competições de formas com ou sem armas.

Como disse Yp Man, criador do estilo mais praticado de Wing Chun do mundo: “O problema não é o estilo, é você”. Cada estilo atende a uma necessidade, basta você descobrir quais são as suas e se elas se adaptam ao estilo praticado.

Algumas vezes, vemos estilos que utilizam movimentos muito diferentes daqueles que estamos habituados. Não tem problema, provavelmente, esses movimentos vão se encaixar e formar novas combinações que, por sua vez, enraizam um estilo novo. Kung fu é mais do que uma sequência de movimentos. Vide o Jeet Kune Do, por exemplo, que deixa de lado os katis. E quem se arrisca a dizer que o estilo criado por Bruce Lee não é kung fu? A verdade é simples, mas difícil de entender: “Tudo é kung fu” como disse nosso shifu uma certa vez.

Portanto, você que chegou até aqui na leitura esperando uma resposta certeira para qual é o melhor estilo de kung fu, sinto muito, não é tão fácil assim. Na verdade, nunca é, pois se é fácil, ai sim podemos ter uma suspeita de que não é kung fu.

Vinho aguado ou azeitona?

Comecei a ler há pouquíssimo tempo o livro “O Tao do Jeet Kune Do” do Bruce Lee. Falem o que quiser, Bruce Lee conseguiu definir bem sua filosofia através de uma arte corporal completa que, mesmo diferente em muitos aspectos do kung fu ortodoxo, ainda enriquece a arte a seu modo.
Periodicamente, trarei trechos do livro que eu ache relevante para nós, praticantes de kung fu. O primeiro é perfeito para aqueles que buscam resultado rápido antes de compreender os movimentos, pessoas que escolhem arte marcial pelos movimentos fáceis, não pelos valores difíceis.

Cuidados com as técnicas físicas

Algumas artes marciais são muito populares e agradam multidões porque parecem boas e possuem técnicas fáceis. Mas tenha cuidado. Elas são como o vinho aguado. Um vinho diluído não é o verdadeiro, não é bom, não é o artigo genuíno.
Algumas artes marciais não parecem ser tão boas, mas você sabe que elas têm um efeito estimulante, um sabor picante, um gosto genuíno. São como azeitonas. O gosto pode ser forte e agridoce. O sabor dura. Você cultiva o gosto por elas. Ninguém jamais desenvolveu gosto por vinho diluído.